Saltar para o menu de navegação
Saltar para o menu de acessibilidade
Saltar para os conteúdos
Saltar para o rodapé
Apostamos na força transformadora da educação, conectando pessoas ao conhecimento.

Conheça mulheres afro latino-americanas e caribenhas à frente de movimentos sociais que transformam suas comunidades

“Ao perder o medo do feminismo negro, as pessoas privilegiadas perceberão que nossa luta é essencial e urgente, pois enquanto nós, mulheres negras, seguirmos sendo alvo de constantes ataques, a humanidade toda corre perigo”. A frase de Djamila Ribeiro, filósofa, escritora e pesquisadora brasileira, embora atual, reflete uma reivindicação antiga das mulheres negras em todo o mundo: o combate ao racismo e ao machismo estrutural.

Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU) de 25 países com maiores índices de feminicídio no mundo,15 ficam na região da América Latina e Caribe. Só no Brasil, o feminicídio negro representou 66% dos assassinatos de mulheres em 2017 de acordo com o Atlas da Violência 2019.

A luta para mudar esse cenário não é nova. No dia 25 de julho de 1992, aconteceu o primeiro Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-Caribenhas em Santo Domingo, na República Dominicana. A partir de então, a data ficou marcada pela união de movimentos sociais liderados por mulheres de diferentes contextos, mas que enfrentam desafios semelhantes. No Brasil, 25 de julho também é o Dia Nacional de Tereza Benguela e da Mulher Negra, instituído pela Lei 12.987 em 2014 para dar visibilidade às situações de desigualdade racial e de gênero, além de fortalecer a história das mulheres negras no país.

Inspirada nesse marco importante, confira uma lista de 11 lideranças femininas negras, à frente de movimentos sociais, que contribuem com a busca de uma sociedade mais justa e igualitária por meio de suas atuações.

 
Regina Célia

Title

A cofundadora e vice-presidente do Instituto Maria da Penha, Regina Célia Barbosa se comprometeu, há mais de dez anos, a trabalhar contra a violência doméstica. Nascida em Recife (PE), Regina é formada em Filosofia pela Universidade Federal de Pernambuco, tem mestrado em Ciência Política e doutorado em Direito, Justiça e Cidadania para o século 21 pela Universidade de Coimbra, em Portugal. No Instituto, a educadora criou um projeto que hoje faz parte do programa pedagógico, que visa utilizar os espaços universitários para formar estudantes para combater a violência contra a mulher em suas comunidades.

 
Heliana Hemetério Dos Santos 

Title

A historiadora carioca tem 65 anos e iniciou sua atuação nos movimento sociais em 1986, quando começou a participar ativamente do movimento negro. Logo em seguida, envolveu-se com o movimento de mulheres negras e feministas. Na década de 1990, passou a participar de coletivos e discussões sobre a comunidade LGBTQI+. Educadora e especialista em Gênero, Raça e Sexualidade, Heliana direciona suas pesquisas para entender a violência estrutural racista e homofóbica É também conselheira nacional de saúde, membro da Rede de Mulheres Negras, do Coletivo de Lésbicas Negras, vice-presidente da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Travestis (ABGLT).

 
Anielle Franco

Title

Criada na favela da Maré, no Rio de Janeiro, Anielle Franco, sempre trabalhou na defesa dos direitos da população negra e periférica. Mestra em Jornalismo e Inglês pela Universidade da Carolina do Norte, nos EUA, e graduada em letras pela UERJ, Anielle Franco é irmã mais velha de Marielle Franco. Além de atuar como professora, escritora e palestrante, Anielle assumiu papel de liderança como ativista em prol dos direitos humanos. É também diretora do Instituto Marielle Franco, dedicado à memória, às ações e à justiça para o caso da irmã, que ainda está sendo investigado.

 
Preta Ferreira

Title

Janice Ferreira da Silva nasceu na Bahia e foi morar na Ocupação Nove de Julho, no centro da cidade de São Paulo, ainda na infância. Desde então, a família se envolveu ativamente com o movimento por moradia, que luta por condições adequadas e direito à residência para pessoas em vulnerabilidade social. Formada em publicidade, cantora, atriz e líder do Movimento Sem Teto do Centro (MSTC), Preta já participou de videoclipes de artistas e também é protagonista do documentário Era o Hotel Cambridge, dirigido por Eliane Caffé.

 

 
Beth Beli

Title

Além de pesquisadora da cultura africana e afro-brasileira, Beth Beli é diretora artística, regente e cofundadora do bloco de carnaval Ilú Obá de Min, reconhecido como uma importante referência étnico-cultural e educativa em São Paulo. Nascida na Brasilândia, periferia de São Paulo, Beth cresceu próxima das tradicionais escolas de samba e uniu a paixão pela música e vontade de explorar a diversidade cultural da música brasileira. Também atua como arte educadora, tocando em hospitais e contando histórias. O objetivo de Beth é trazer um mundo de possibilidades para outras mulheres e meninas, que podem se encontrar através da música e de suas identidades.

 
Anna Suav

Title

Anna Suav é uma artista que representa o Belém do Pará (PA) nos expoentes do RAP, R&B e new school. Músicas como Soul Sim, Madalena e Desafogo, trazem narrativas que evidenciam a experiência e as vivências de uma mulher, preta, nortista. Anna também idealizou o projeto Slam Dandaras do Norte e, a partir dele, participa de formações, debates, rodas de conversa e projetos escolares que visam valorizar as produções e a cultura local.

 

 

 
Shirley Campbell Barr

Title

Descendente de jamaicanos e natural da Costa Rica, Shirley Campbell Barr trabalhou em programas culturais e sociais em vários países da América Central. Formada em Dramaturgia, Literatura e Criação Literária e antropóloga especializada em feminismo africano, a professora se encontrou como ativista pela vida do povo negro, sobretudo das mulheres. Escritora de livros reconhecidos internacionalmente, como Rotundamente Negra y otros poemas, Naciendo e Desde el principio fue la mezcla, Shirley tem seus poemas e artigos publicados em revistas de diversos países. Sua obra foi traduzida do espanhol para o inglês, português e francês.

 
Ítala Herta

Title

Há mais de 10 anos envolvida com projetos de inovação social e cultura em instituições públicas e privadas brasileiras, a pesquisadora e comunicadora Ítala Herta dedica seu trabalho a promover a cultura independente negra e periférica. Após participar, em 2015, do Laboratório Ibero-Americano de Inovação Cidadã, onde desenvolveu projetos para comunidades em situação de vulnerabilidade no Rio de Janeiro, Ítala contribuiu como cofundadora da Vale do Dendê, uma organização da sociedade civil voltada para o ecossistema de inovação, criatividade e tecnologia de Salvador (BA). O foco deste trabalho é trazer diversidade para os negócios de impacto social e prestar serviços para órgãos públicos e privados por meio de consultoria estratégica.

 
Neide Barbosa

Title

Neide Barbosa é antropóloga e luta pela defesa das terras indígenas em Suruí, Rondônia. Formada em História, com mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Rondônia (UNIR), atualmente segue a linha de pesquisa: Etnias e Populações Amazônicas. É também coordenadora geral da Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé, onde trabalha desde 1992. Temas como gestão de território indígena, diagnóstico, etnozoneamento e Planos de Gestão Territorial e Ambiental – PGTA fazem parte do repertório da ativista.

 

 
Dríade Aguiar

Title

Natural do Mato Grosso, Dríade Aguiar atua em diversas frentes em defesa das juventudes, do povo negros, das mulheres e da comunidade LGBTQI+. Gestora de Comunicação do circuito de coletivos culturais, Fora do Eixo, e fundadora do veículo de jornalismo independente Mídia NINJA, a comunicadora acredita que a transformação social acontece através da comunicação e da ocupação de espaços políticos por mulheres negras.

 

 

 
Taitu Heron

Title

A ativista jamaicana Taitu Heron é especialista em desenvolvimento de comunidades, defensora dos direitos humanos e poeta. É formada em Relações Internacionais pela Universidade das Índias Ocidentais (Mona) e mestre em Estudos de Desenvolvimento pela Universidade de Cambridge, Reino Unido. Ela já atuou em diversas organizações internacionais e locais, como ONU Mulheres PNUD (Programa das Nações Unidas de Desenvolvimento). Suas áreas de interesse acadêmico e pesquisa giram em torno da violência baseada em gênero, direito da criança, comunidade LGBTQI+, participação democrática de mulheres e saúde sexual e reprodutiva das mulheres negras. Atualmente, Taitu é consultora da ONG Empoderamento da Mulher pela Mudança (WE-Change) na Jamaica.

 
Líderes do passado

huge_it_slider id=”121″

 

 

11 lideranças negras que lutam por direitos na América Latina e no Caribe
11 lideranças negras que lutam por direitos na América Latina e no Caribe