Saltar para o menu de navegação
Saltar para o menu de acessibilidade
Saltar para os conteúdos
Saltar para o rodapé
Apostamos na força transformadora da educação, conectando pessoas ao conhecimento.

Estudantes da rede pública de ensino de Campo Bom (RS) são premiadas pelo app Tigre Branco, que busca estimular os jovens a fazer o bem e valorizar a vida

A professora Silvia Duarte, do laboratório de informática da Escola Municipal de Ensino Fundamental 25 de Julho, em Campo Bom, na região metropolitana de Porto Alegre-RS, ficou assustada quando descobriu que uma adolescente da cidade tentou tirar a própria vida após participar de um fórum online que incentivava práticas violentas. Alarmada com a situação, conversou com seus alunos e, juntos resolveram criar um aplicativo para combater o bullying na escola.

Em resposta à agressividade dos desafios disseminados por redes sociais e que ficaram conhecidos no mundo e no Brasil como Baleia Azul, a ideia era estimular a prática de boas ações entre as pessoas. Foi assim que nasceu o Tigre Branco.

As alunas Manoela Kieling, Laura Schuster e Julia Dapper se candidataram para a tarefa de desenvolver o aplicativo. O projeto foi trabalhado durante o contraturno, de forma colaborativa e sob a supervisão da professora de informática.

“Gostamos imediatamente da ideia de estimular pessoas a fazer o bem. É muito interessante olhar para trás e ver o que construímos, mesmo não tendo experiência no desenvolvimento de aplicativos. Além de um aprendizado profissional, também nos marcou poder olhar para o outro com mais atenção”, conta a aluna e desenvolvedora Laura Schuster.

O aplicativo Tigre Branco inclui, entre as 50 etapas que compõem o jogo, ações como doar um livro para uma biblioteca, dar bom dia, dizer obrigada e dar água ou comida para um animal que esteja na rua.

As atividades ou desafios são pensados para trabalhar o eu, o outro e o meio social. “Afinal, só quando só quando estamos bem com nós mesmos é que podemos olhar para o próximo e para a sociedade, não é?”, afirma a professora Silvia.

Tecnologia para fazer o bem

Ícone do aplicativo Tigre Branco, que combate o bullying, mostra o brasão de um tigre estilizado com moldura colorida.

As estudantes e a professora se encontravam semanalmente e levaram cerca de cinco meses para o desenvolvimento do aplicativo, que já contabiliza mais de 1.000 downloads. A iniciativa também foi reconhecida pelo Prêmio Criativos da Escola 2018, que destaca projetos criados por jovens e educadores de todo o país.

“Ver as pessoas usando o aplicativo já seria super motivador. Mas, quando ganhamos o prêmio nacional, tivemos certeza de que estamos fazendo a diferença não só na nossa cidade, mas também em outros lugares. Essa conquista nos deixa mais animadas para novas ideias no futuro”, acredita Laura Schuster.

Em 2019, o plano é dar continuidade ao Tigre Branco, recrutar mais voluntários para participar do projeto e investir em um canal no YouTube para que o alcance da iniciativa seja ainda maior.

“As mídias digitais são fundamentais para o Tigre Branco. Primeiro porque a nossa aposta para valorizar a vida foi, justamente, a partir do desenvolvimento de um aplicativo para jovens, segundo porque quase todos os alunos possuem um smartphone em casa. A gente tem de trazer a tecnologia para perto da gente como uma aliada, pois sabendo usar, ela pode fazer maravilhas por todos nós”, conclui a professora Silvia Duarte.

Alunas criam aplicativo para combater o bullying na escola
Alunas criam aplicativo para combater o bullying na escola