Como trabalhar projeto de vida com os estudantes?

04 de agosto de 2020

Entenda a importância desse novo componente curricular previsto na BNCC e como ele pode ser trabalhado junto aos estudantes durante as aulas.


As principais mudanças no Novo Ensino Médio passam pela aplicação de uma Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para todos os estudantes, estabelecendo um conjunto de competências e habilidades a serem aprendidas. Um dos principais componentes obrigatórios dessa reforma está na construção de projetos de vida, por meio dos quais os estudantes definem, com o apoio da escola, objetivos pessoais, acadêmicos, profissionais e como cidadãos.

Além de ter um espaço próprio no currículo, a temática também deve ser trabalhada de forma transversal entre as disciplinas. Segundo Hanna Cebel Danza, doutora em Psicologia e Educação pela Universidade de São Paulo e professora no Instituto Singularidades, o tema projeto de vida apareceu na BNCC como diretriz do Ensino Médio, sem especificidades de implementação, o que pode gerar dúvidas nos educadores.

“Entender o conceito nos ajuda a determinar um horizonte formativo. O objetivo não é que todos os estudantes tenham formulado um projeto de vida super específico ao final do Ensino Médio. Queremos que sejam capazes de criar projetos que tenham sentido. Precisamos ajudá-los a promover recursos em suas trajetórias”, aponta Hanna Danza.

No final de junho, ela participou de uma live com educadores da rede estadual da Bahia, que estão passando por uma formação continuada sobre projeto de vida com apoio do programa Pense Grande, da Fundação Telefônica Vivo. Na ocasião, foram levantadas questões relevantes sobre esse novo componente curricular e como ele pode contribuir para uma formação mais completa dos estudantes, mantendo-os interessados na escola.

 

A importância da elaboração de um projeto de vida 

As principais contribuições para os estudantes, e até mesmo para os educadores, passam por dar sentido aos objetivos, proporcionar uma visão coesa de si mesmos e reforçar a busca por prosperidade.

“A juventude é uma fase de muita exploração de limites e padrões e comportamento e ter um projeto traz estabilidade para saber onde pisar. Outro ponto é que os jovens com projeto de vida têm um índice mais alto de autoestima e boa troca entre pares e familiares”, enumera a professora Hanna Danza.

O período final do Ensino Médio sempre envolve muita angústia e iniciar essa reflexão precocemente faz com que a escolha profissional seja feita de uma forma criteriosa e responsável, traz autoconfiança e segurança. Para Hanna, é possível começar a trabalhar alguns conceitos ainda no Ensino Fundamental, levando as crianças a refletirem sobre objetivos em curto prazo e conceitos como desejos e vontades.

“Quanto mais refletem o que desejam, mais facilidade encontram para inserção no mundo adulto, seja em termos de trabalho, seja em relações humanas mais satisfatórias”, aponta a especialista em Educação.

 

Um constante aprendizado também para o professor

O professor não precisa chegar pronto para trabalhar com os alunos e é fundamental que haja oferta de formação continuada para o desenvolvimento de competências também para os educadores. Ainda que o projeto de vida esteja presente de forma transversal no currículo escolar, é necessário dar autonomia e protagonismo aos estudantes.

“Todo sonho é possível de ser realizado. O negócio é adotar um método. Por exemplo, treinar a escuta e respeitar a característica do outro. Não é terapia de grupo, é trabalhar do ponto de vista pedagógico”, explica Hanna Danza.

Por fim, a especialista do Instituto Singularidades recomendou que mesmo este contexto de educação a distância devido à pandemia do coronavírus não impeça que o projeto de vida seja abordado com os alunos. “Se pensarmos que o futuro vai nos oferecer menos que o presente, vamos nos fragilizar”, conclui.

Baseados na apresentação da professora Hanna Danza, elaboramos alguns infográficos para ajudar a trabalhar o tema junto dos estudantes. Confira!

Quatro pilares estruturais de um projeto de vida  1 – Intenção ou desejo Não precisa ser só uma coisa, ou seja, pode contemplar uma série de objetivos. Essa intenção precisa ter um mínimo de estabilidade para poder gerar um projeto de vida. É preciso traçar um objetivo no qual não se perca o interesse em longo prazo, que seja estável sem que isso signifique rigidez ou impossibilidade de realizar mudanças.  2 – Sentido ou Propósito Essa intenção precisa ser carregada de sentido pessoal, pois em pouco tempo pode perder força e deixa de existir. Essa noção de propósito é uma grande marca do projeto de vida, pois ajuda o jovem a estar engajado em seus objetivos. 3 – Planejamento Ainda que haja uma intenção estável e que faça sentido, o estudante tem apenas um sonho, algo no plano imaginário. Sonhar é parte fundamental do processo, mas queremos que os estudantes possam ter um plano de como realizar o que desejarem. 4 – Ética Zelar pela ética envolve autopreservação dos estudantes, do coletivo e do planeta como um todo. Um projeto de vida tem o potencial de transformar o pessoal, mas também pode trazer mudanças mais amplas do ponto de vista cultural e social.

 

Pontos importantes para a construção do projeto de vida  Trabalhar o autoconhecimento: o jovem não avança se não souber quem é e quem ele quer se tornar. É uma tarefa que não se encerra, porque estamos em contínua mudança. Portanto, precisa ganhar complexidade ao longo de todo percurso.  Desenvolver habilidades socioemocionais: saber se relacionar com o mundo, identificar pontos de apoio, lidar com frustrações, compartilhar experiências. No início, focar em questões mais familiares e ir expandindo para outros cenários.  Provocar reflexões sobre escolhas: focar em escolhas não apenas no campo profissional, mas em diversas naturezas. Um projeto de vida é feito de escolhas e os estudantes precisam ter insumos para aprenderem a tomar decisões.  Aprendizagem de conteúdos em espiral: o que significa? Vários programas traçam uma jornada linear, mas a vida não funciona assim. Muitas vezes agimos sem uma decisão formada e isso nos leva a escolhas mais claras. É importante fazer movimentos de idas e vindas.  Praticar a escuta: adultos possuem uma visão mais ampla sobre dificuldades enfrentadas em algumas carreiras, mas não podem desmobilizar os sonhos dos jovens. O papel do educador é ouvir e ajudar o estudante a tomar consciência sobre qual caminho trilhar.  Dar autonomia e protagonismo ao estudante: O educador precisa ser alguém que consiga fazer o estudante participar, pois não é possível terceirizar a construção de um projeto de vida. É importante o aluno desenvolver autonomia e participar das práticas propostas.   Relativizar a vocação: se entendemos esse processo como uma construção, não podemos entender que existam vocações, pois isso impede de seguir novos rumos. É entender que nada está pré-determinado e que é possível mudar planos.  Expandir a perspectiva sobre carreiras: a profissão é uma das formas de participar do mundo, mas exercemos vários papéis na família e na comunidade. Qual tipo de pessoa queremos ser? Projeto de vida é essa grande reflexão sobre quem queremos nos tornar em termos amplos.

 

 



4 comentários sobre “Como trabalhar projeto de vida com os estudantes?”

  1. Rosangela Silva Knapp disse:

    Excelente proposta!

    1. Fundação Telefônica Vivo disse:

      Olá, Rosângela

      Agradecemos seu comentário, é muito importante para nós. Continue nos acompanhando.

      Abraços!

    2. Leda Rodrigues de Lima disse:

      Primeiro quero agradecer pela oportunidade de estar aprendendo com vocês. Digo pois todos os dias aprendemos com as mesmas pessoas ou com pessoas que não são do nosso convívio , a todo o momento e a toda hora. O trabalhar PORJETOS, para mim se torna algo muito necessário à mim mesma. Porque comecei a dar novo rumo e aprofundar mais ainda os meus objetivos. Planejo, pesquiso, observo, reflito, compartilho e vivo. Todas as competências necessárias para lidar com os alunos, vou procurando a melhoria de cada uma para ser fiel ao aprendizado do aluno. Estar com eles e ajudá-los a apreender o aprendizado é de uma satisfação irreparável. Levo à eles momentos de alegria e prazer no aprender. E tudo se torna muito mais fácil e aceitável pelos alunos. Faço o meu melhor para com eles. O PROJETO DE VIDA, ele nasce na família e bem estruturado na escola, chega no final do 3º ano do E.M. com fluidez, harmonia e com perspectiva de um futuro seguro e determinado.

      1. Fundação Telefônica Vivo disse:

        Olá, Leda

        Agradecemos seu comentário, é muito importante para nós. Continue nos acompanhando.

        Abraços!

Deixe uma resposta aqui