Saltar para o menu de navegação
Saltar para o menu de acessibilidade
Saltar para os conteúdos
Saltar para o rodapé
Apostamos na força transformadora da educação, conectando pessoas ao conhecimento.

A plataforma Escolas Conectadas abre turmas para um novo curso de formação continuada que propõe inovação no ensino da lógica, trabalhando a programação como forma de desenvolver competências do século XXI

#Cursos#Educadores#Escolasconectadas

A lógica faz parte da história da humanidade desde a Antiguidade, e trata-se de um campo da filosofia dedicado a aprofundar a ligação entre a linguagem, o discurso e o conhecimento. O primeiro a propor os princípios dessa argumentação foi o filósofo grego Aristóteles, mas ao longo dos séculos, a forma de ensinar e compreender o raciocínio lógico passou por transformações significativas.

No fim do século XIX, as premissas e conclusões filosóficas passaram a ser utilizadas para explicar raciocínios matemáticos. Embora o entendimento geral sobre a lógica atualmente esteja mais conectado a essa última aplicação, o objetivo principal dela continua o mesmo: distinguir um caminho que se aproxime mais de resultados assertivos.

Já no século XXI, essa perspectiva está ligada a muitas das competências e habilidades exigidas por um mundo em constante transformação tecnológica, social e econômica. Saber resolver problemas, se comunicar e pensar criticamente são alguns dos pré-requisitos fundamentais para o mercado de trabalho e para a vida.

Pensando em desenvolver essas habilidades pedagógicas e profissionais, ligadas à cultura digital, a plataforma Escolas Conectadas abre inscrições para o curso “Olá, Mundo! Lógica de programação e autoria”, que inaugura a primeira turma no dia 09 de novembro.

A iniciativa faz parte do ProFuturo, programa global da Fundação Telefônica e da Fundação “la Caixa”, que tem como principal compromisso propagar a inovação educativa e as competências do século XXI através da formação continuada gratuita dos professores.

Programação e a BNCC

Os avanços tecnológicos dos últimos 30 anos têm impactado o processo de ensino-aprendizagem, disponibilizando plataformas on-line, aplicativos, softwares educacionais, metodologias ativas e sistemas de inteligência artificial. Para transitar por essa infinidade de recursos digitais, tanto educadores quanto os estudantes precisam compreender o funcionamento deles e utilizá-los para potencializar as relações humanas.

Sendo assim, a cultura digital aparece como uma das dez competências gerais definidas pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que aponta a importância dos estudantes compreenderem, utilizarem e criarem tecnologias digitais de forma crítica, significativa e ética.

O ensino de linguagens de programação, por exemplo, entra nessa equação como um instrumento para conduzir o raciocínio lógico e a formação de uma geração que não será apenas consumidora, mas produtora de conteúdos que atendam às demandas do século XXI. Para além do domínio dos algoritmos e dos códigos, essa habilidade trabalha a criatividade e a resolução de problemas.

Estatísticas a favor do pensamento computacional

Existem estatísticas que apontam o ensino de ciência da computação como uma forma de melhorar a qualidade de vida dos jovens. Hadi Partovi, idealizador do movimento Hora do Código e presidente da organização sem fins lucrativos Code.org, explicou o impacto do pensamento computacional nas escolas durante a conferência global enlighted 2020.

“As vantagens não são apenas para os estudantes que decidem seguir carreira nas áreas de tecnologia. Estudar programação ajuda a desenvolver a leitura, a escrita, o raciocínio científico, resolução de problemas, além de aumentar as chances de ingressar no Ensino Superior e ter uma remuneração digna no mercado de trabalho”, afirma.

O programador também aproveitou para desmistificar o senso comum em relação à ciência da computação: A programação não é mais fácil para aqueles que tem facilidade com matemática. Segundo ele, pessoas com habilidades linguísticas mais desenvolvidas tem oito vezes mais chances de aprenderem a programar.

Além disso, Hadi acrescentou que o ensino de programação não fica limitado ao acesso às tecnologias, e está mais conectado com a forma de pensar do que com os códigos.

“Os professores ocupam o papel mais importantes nesse movimento. A ciência da computação é sobre comunidades. Os milhares de educadores que estão buscando essa atualização, estão transformando a educação pública em todos os lugares do mundo e ajudando a preparar a próxima geração para a tecnologia que vai remodelar nosso século”, conclui.

Curso para educadores trabalha o raciocínio lógico através do ensino de programação
Curso para educadores trabalha o raciocínio lógico através do ensino de programação