Saltar para o menu de navegação
Saltar para o rodapé
Saltar para os conteúdos
Saltar para o menu de acessibilidade
Saiba como contribuímos para digitalizar a educação pública e promover a solidariedade.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos completa 73 anos em 10 de dezembro. Que tal recorrer aos filmes para refletir sobre a data e ainda se emocionar?

#Educação#Listas#ProFuturo

Imagem mostra a mão de uma pessoa segurando um controle remoto. Ao fundo, é possível ver uma televisão ligada.

Direitos Humanos são os direitos próprios a todos os seres humanos. Ou seja, a todas as pessoas, independentemente de raça, nacionalidade, sexo, etnia, religião ou qualquer outra condição.

Muito tem sido discutido sobre o tema desde que a Organização das Nações Unidas instituiu a Declaração Universal dos Direitos Humanos, no dia 10 de dezembro de 1948.

O documento foi elaborado por representantes de diferentes origens e culturas de todas as regiões do mundo. A fim de estabelecer, pela primeira vez, a proteção das liberdades individuais em um mundo devastado pela II Guerra Mundial.

O tema também aparece representado na arte. Por exemplo, o cinema é um espaço utilizado para refletir e falar sobre Direitos Humanos e tem sido fundamental para debater temas relevantes da sociedade.

Nesse sentido, preparamos uma lista de filmes para serem vistos muitas vezes. Além disso, eles podem ser usados não só para explicar acontecimentos históricos, como para embasar conversas e aulas sobre temas complexos. Confira!

1. A morte e a vida de Marsha P. Johnson (2017)

Imagem mostra a mulher trans, negra e periférica. Marsha P. Johnson.

Mulher trans, negra e periférica. Marsha P. Johnson se destacou como uma das principais líderes da Revolta de Stonewall, nos Estados Unidos. Os protestos aconteceram em 1969 e reivindicavam direitos para a comunidade LGBTQIA+. O documentário gira em torno das investigações sobre a morte repentina e misteriosa da ativista. Mas também há espaço para relembrar a influência da figura de Marsha, que lutou pela visibilidade de pessoas transexuais e abriu caminho para conquistas de direitos humanos no país.

Classificação indicativa: 14 anos
Disponível na Netflix

2. A noite de 12 anos (2018)

O filme se passa em 1973, no Uruguai, e é baseado em fatos reais. José Mujiica (Antonio de la Torre), Mauricio Rosencof (Chino Darín) e Eleuterio Fernández Huidobro (Alfonso Tort) são militantes de um grupo que combate a ditadura militar no país. Capturados e presos com outros nove companheiros, eles são isolados e só têm contato com guardas. Nesse sentido, cada um encontra maneiras de sobreviver às torturas, ao longo dos anos, sem saber se um dia será solto.

Classificação indicativa: 14 anos
Disponível na Netflix

3. Ex-Pajé (2018)

Imagem mostra cena do filme Ex-pajé, que retrata um pajé sentado em uma árvore e uma criança indígena manuseando algo que parece ser varetas

O documentário brasileiro do diretor Luiz Bolognesi traz a história de um pajé que passa a questionar sua fé depois que o homem branco chega à sua aldeia em missão evangelizadora. A obra é um grito contra o etnocídio do povo Pater Saruí e contra a monocultura da fé.

Classificação indicativa: Livre
Disponível na Netflix

4. Harriet (2019)

O longa, dirigido pela roteirista afro-americana Kasi Lemmons, acompanha a trajetória da heroína abolicionista Harriet Tubman (1822-1913), que ajudou a libertar escravizados nos Estados Unidos. Ela tornou-se uma das líderes mais influentes da causa abolicionista e do ativismo pelo sufrágio feminino, após fugir da fazenda onde era forçada a trabalhar.

Classificação indicativa: 14 anos
Disponível no Telecine

5. Cafarnaum (2019)

Imagem mostra duas crianças de costas em um ambiente que parece ser um quintal. Ao fundo, é possível ver a vista de uma cidade

O longa dirigido pela libanesa Nadine Labaki mergulha no cotidiano das infâncias marcadas por crises humanitárias. A história se passa em Beirute, capital do Líbano, e segue o protagonista Zain. O menino de 12 anos se vê obrigado a cuidar dos irmãos mais novos em um contexto de violência e guerra. O drama faz refletir sobre o direito de buscar condições básicas de sobrevivência. O filme foi indicado ao Oscar na categoria de Melhor Filme Estrangeiro em 2019.

Classificação indicativa: 16 anos
Disponível na Amazon Prime

6. Papicha (2019)

A década de 1990 trouxe profundas mudanças para a Argélia, que passou por uma Guerra Civil entre o governo e grupos fundamentalistas. O longa franco-argelino mostra o conflito sob a perspectiva de Nedjma, uma estudante de moda que se rebela contra o conservadorismo das regras islâmicas. Nesse sentido, a jovem mobiliza uma manifestação artística pela liberdade e pelos direitos das mulheres no país africano, junto de outras amigas da universidade.

Classificação indicativa: 16 anos
Disponível no TeleCine

7. Sergio (2020)

Imagem mostra cena do filme Sérgio em que aparece o ator Wagner Moura interpretando o personagem principal. Ele parece estar dentro de um avião, olhando pela janela

Sergio Vieira de Mello foi um diplomata brasileiro que fez carreira cuidando de questões humanitárias, a serviço da Organização das Nações Unidas. Destacou-se por ser um hábil negociador sociopolítico; No longa norte-americano, ele é interpretado pelo ator brasileiro Wagner Moura. O filme relembra a vida, a carreira e a morte do embaixador da ONU, que morreu durante um ataque terrorista no Iraque, em 2003.

Classificação indicativa: 12 anos
Disponível na Netflix

8. Os 7 de Chicago (2020)

O premiado longa reconta a história dos sete ativistas políticos acusados de conspiração por se envolverem em um protesto pacífico contra a guerra do Vietnã. O que era para ser apenas uma manifestação a favor dos direitos humanos na cidade de Chicago, acabou em um confronto policial violento. O filme, que é baseado em fatos reais, conduz com intensidade e carisma um dos julgamentos mais injustos dos Estados Unidos.

Classificação indicativa: 16 anos
Disponível na Netflix

9. Crip Camp: Revolução pela Inclusão (2020)

Imagem mostra cena do filme Crip Cramp que retrata alguns jovens com deficiência

Um grupo de estudantes fundou o acampamento Jened, em 1951, com o objetivo de acolher as individualidades de jovens com deficiência. O espaço oferecia liberdade para que centenas de adolescentes pudessem experimentar um verão sem limitações e preconceitos. O documentário mostra como a iniciativa ultrapassou os muros do acampamento, inspirando lideranças e mobilizações pelos direitos de pessoas com deficiência nos Estados Unidos.

Classificação indicativa: 12 anos
Disponível na Netflix

10. Marighella (2021)

A cinebiografia mostra a trajetória do ex-deputado e ativista brasileiro Carlos Marighella, um dos principais líderes da luta contra a Ditadura Militar de 1964. O longa traz debates ainda atuais sobre racismo e direitos humanos. É dirigido por Wagner Moura e protagonizado por Seu Jorge. O filme estreou nos cinemas em novembro de 2021 e é uma adaptação do livro “Marighella – O Guerrilheiro que Incendiou o Mundo”.

Classificação indicativa: 16 anos
Disponível na Globoplay.

10 filmes para refletir sobre Direitos Humanos
10 filmes para refletir sobre Direitos Humanos