Saltar para o menu de navegação
Saltar para o rodapé
Saltar para os conteúdos
Saltar para o menu de acessibilidade
Logo EnlighTedDias 19, 20 e 21 de outubro | Assista ao enlightED aqui!

Muito além de abrigar livros, o espaço, que fica em um cemitério, tornou-se um ponto de referência cultural na região de Parelheiros, extremo sul de São Paulo

Muito além de abrigar livros, o espaço, que fica em um cemitério, tornou-se um ponto de referência cultural na região de Parelheiros, extremo sul de São Paulo

O distrito de Parelheiros, no extremo sul da cidade de São Paulo é uma área de patrimônio ambiental, conhecida pelas represas que abastecem boa parte da cidade e por abrigar comunidades indígenas. Por outro lado, concentra altos índices de violência em uma área considerada de extrema vulnerabilidade social.

É nessa região de contrastes que se encontra a Biblioteca Comunitária Caminhos da Leitura, localizada dentro do cemitério da região, na antiga casa do coveiro. A sede inusitada poderia ser motivo de apreensão do público, mas tornou-se um dos grandes atrativos turísticos do local e virou até tema dos saraus realizados no espaço, com direito a encenações e passeios locais.

“Queríamos mudar a visão que as pessoas têm sobre os cemitérios e aproveitamos o cenário para trabalhar a relação da morte com a vida em diferentes culturas”, conta Sidineia Chagas, 26 anos, uma das gestoras do espaço.

Sidineia é a mais velha do grupo responsável pela biblioteca, formado ainda por Silvani Chagas (22 anos), Bruno Souza de Araújo (22), Ketlin Santos (21) e Suellen de Bessa (17). Juntos, eles cuidam de diversos projetos realizados dentro e fora do espaço e fazem o papel de articuladores com a comunidade.

Biblioteca comunitária caminhos da leitura reúne grupo de mães

Grupo de mães e gestantes se reúne na biblioteca para mediação de leituras sobre o tema

O grupo ainda integra o coletivo Escritureiros, iniciativa formada por jovens escritores de Parelheiros que usam a literatura para transformar o entorno que vivem. “Somos educadores sociais, e a partir dos livros dialogamos com temas presentes na sociedade como questões raciais, de gênero e direitos humanos”, explica Sidineia, que atua no projeto desde os 17 anos.

Aprendizado e novos horizontes

O que começou como um trabalho voluntário há nove anos tornou-se uma perspectiva de futuro para os cinco jovens, que hoje recebem uma bolsa auxílio do Instituto Brasileiro de Estudos e Apoio Comunitário, IBEAC, para tocarem o projeto e já estão na faculdade.

“A formação acadêmica fortalece o trabalho que estamos realizando aqui, que é nossa segunda casa e onde descobrimos nossos sonhos, desejos e os caminhos profissionais que queremos seguir”, diz Sidineia, estudante de administração.

Já a irmã Silvani está cursando pedagogia e atribui sua formação à descoberta da literatura. “O contato com os livros trouxe referências e autoconhecimento que fortaleceram minha identidade. Hoje, eu me encontrei como militante da juventude e como mulher negra e sei que posso ajudar outras pessoas da comunidade com o meu trabalho”, conclui a jovem.

Biblioteca comunitária liderada por jovens faz sucesso na zona sul de SP
Biblioteca comunitária liderada por jovens faz sucesso na zona sul de SP