Saltar para o menu de navegação
Saltar para o menu de acessibilidade
Saltar para os conteúdos
Saltar para o rodapé

Fundada em 2003, as ações educacionais da instituição já impactaram mais de 40 mil pessoas

#ProgramadeVoluntariado#Voluntariado

Os bairros de Quitaúna, São Pedro e Padroeira II em Osasco, localizados na região oeste da Grande São Paulo têm como algumas de suas características a falta de saneamento básico em ruas sem asfalto, as condições de moradia precárias e um grande índice de desemprego – o que se traduz num alto de grau de vulnerabilidade social.

“A comunidade é formada por uma população de baixa renda, composta por famílias numerosas, grande parte delas chefiadas por mulheres negras, com baixa escolaridade e sem emprego formal. Outro aspecto determinante na qualidade de vida é a falta de equipamentos de cultura, de educação e de saúde”, diz Celina Prado, que acompanha de perto essa realidade todos os dias através do Centro Social Carisma, no bairro São Pedro.

Ela é gestora da organização da sociedade civil que nasceu, em 2003, para enfrentar essa realidade junto às famílias destes territórios. “Atendemos crianças, adolescentes e famílias em vulnerabilidade social, nas áreas de educação, cultura, esporte e formação para o trabalho”, explica Celina.

A empreitada tem por foco o desenvolvimento de atividades que fortaleçam vínculos com crianças, familiares e comunidade, para prevenir situações de exclusão social e de risco, em especial a violência doméstica e o trabalho infantil. “Temos projetos na área de educação integral: música, esportes, tecnologia e educação ambiental”, disse a gestora.

A concretização dos trabalhos

Tudo começou em 1994, através de um grupo de amigos que se reuniu para promover aos moradores de rua uma alimentação saudável e o acolhimento necessário. “Ao andarem pelas ruas, eles perceberam que famílias viviam em situações precárias, sem perspectiva de futuro. Viram também que muitas crianças e adolescentes realizavam trabalhos, o que representava abandono e evasão da vida escolar”, relembra Celina Padro.

Assim nasceu a Associação Cristã de Osasco. Por meio de reuniões em busca de soluções para o problema, os voluntários notaram que era preciso trabalho de orientação com as famílias com o intuito de estimular a recuperação da dignidade social, econômica e cultural delas.

“Diante de tamanha necessidade em recuperar a dignidade social, em agosto de 2003 nasceu o Centro Social Carisma, com ações organizadas e pontuais. Com a tarefa de inserir e integrar socialmente crianças e adolescentes e ser um espaço de oportunidades para esse público e suas famílias”.

Engajando o voluntariado

O trabalho voluntário é parte essencial do que desenvolve o Centro Social Carisma. Sejam ações pontuais ou contínuas, os esforços unidos garantem a realização das atividades realizadas para quem mais precisa.

“Uma organização social é formada por pessoas dispostas a promover o bem e doar um pouco de seu tempo e talento em prol da comunidade. O apoio dos voluntários tem sido de fundamental importância na organização, sem eles o trabalho não seria o mesmo. O voluntário é agente de mudanças, de transformações, de promoção da solidariedade e da cidadania. O voluntariado cria a confiança e o capital social preciosos para crescimento da organização social”, reforça a gestora da ONG.

Os voluntários apoiam de diferentes formas: digitação de nota fiscal, pesquisa com alunos, criação de conteúdos, aulas para o público, orientação nutricional, apoio na cozinha e no bazar, entre outros trabalhos compartilhados.

Ao todo, 103 voluntários atuam na Social Carisma e ajudaram a organização a alcançar, com seus projetos, mais de 40 mil pessoas.

Por essas ações, a ONG foi reconhecida em 2020 como uma das 100 melhores organizações do Brasil no ano de 2020.

 

Direcionamento do trabalho durante pandemia 

Em virtude da pandemia de Covid-19, o trabalho foi repaginado para atender às necessidades emergenciais das famílias. “Mobilizamos e repassamos doações de alimentos desde o primeiro dia de quarentena. Reconhecemos que a maior parte dos adultos atendidos está desempregada ou não ocupa postos de trabalho formal, o que torna as demandas ainda mais urgentes”, diz a integrante da instituição.

Foram mais de 15 mil toneladas de doações entregues para 350 beneficiados diretos e mais de 7420 beneficiados indiretos. Ao longo desses meses de distanciamento social, as famílias retiraram periodicamente as doações, sempre com agendamento de horários e seguindo os devidos protocolos de distância e higienização.

“Além de mobilizar uma grande quantidade de alimentos, nós também estamos gerindo cuidadosamente os recursos recebidos para que todas as famílias possam ser beneficiadas, visto que muitas pessoas já pararam de receber doações de outros lugares”.

Outra mudança foi que as atividades socioeducacionais passaram a ser remotas, por meio da modalidade de educação a distância. “O grande desafio foi fazer com que as atividades chegassem até às casas de nossos educandos por meio do acesso à internet”, descreve Celina.

Algumas atividades foram realizadas em plataformas de vídeo ao vivo, outros exercícios foram enviados por WhatsApp e até mesmo por ligações telefônicas. “Os conteúdos foram adaptados e a nossa prioridade foi manter contato e acompanhar a rotina das crianças e adolescentes. Com a gamificação utilizamos os jogos e tornamos os celulares aliados na aprendizagem e nos conteúdos das aulas”, conta.

Centro Social Carisma trabalha pelo fim das vulnerabilidades sociais na periferia de Osasco
Centro Social Carisma trabalha pelo fim das vulnerabilidades sociais na periferia de Osasco