Saltar para o menu de navegação
Saltar para o rodapé
Saltar para os conteúdos
Saltar para o menu de acessibilidade
PESQUISA EXCLUSIVA REVELA OS DESEJOS E NECESSIDADES DOS JOVENS DO ENSINO MÉDIO.
BAIXE AQUI

O componente Projeto de Vida traz aos estudantes uma oportunidade a mais de desenvolvimento integral, com tempos, espaços, conteúdos e práticas que os apoiem na reflexão sobre seus futuros possíveis. Saiba mais!

#Educadores#PenseGrandeTech#Projetodevida

Imagem mostra uma jovem e um jovem reunidos com uma mulher que parece ser a professora deles. O jovem está sentado, segura uma caneta com a mão direta e observa o que está escrito em um caderno sobre a mesa. A jovem está ao seu lado, também observando o que há no caderno. Já a professora está em pé também ao lado do jovem, apontado para algo que está escrito no caderno. Todas as pessoas são brancas.

O novo Ensino Médio chegou com a expectativa de adequar os modelos de ensino-aprendizagem aos novos contextos e características da sociedade atual. A terceira e última etapa escolar pode ser considerada a ponte que conecta o estudante da Educação Básica à universidade e ao mundo do trabalho. Entretanto, a partir deste ano, todo estudante passa a contar com um novo elemento para ajudá-lo nessa fase marcada por escolhas e transições: o Projeto de Vida.

O Projeto de Vida é um dos componentes curriculares incorporados pelo Novo Ensino Médio e previsto como uma das competências gerais na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Por meio dele, estudantes poderão refletir, com o apoio da escola, sobre seus objetivos pessoais, acadêmicos, profissionais e sociais.

Além de ter um espaço próprio no currículo, a temática deve ser trabalhada de modo transversal pelos educadores das demais disciplinas. Assim, será possível estimular o jovem a desenvolver diferentes habilidades e estratégias para construir e alcançar suas metas.

Nesse sentido, práticas, espaços de escuta e acolhimento e exercícios de autonomia podem ser parte das dinâmicas dos componentes curriculares da formação geral básica. Assim como da parte flexível do currículo.

Como resultado, o jovem deve sair da Educação Básica apropriado de conhecimentos, instrumentos e atitudes que o apoiem na construção de seu Projeto de Vida. Bem como nas atualizações que ele terá ao longo de sua vida, a partir de escolhas conscientes, oportunidades e interesses, protagonizando sua história.

As três dimensões trabalhadas no componente Projeto de Vida se interconectam e completam, a separação é somente didática

Qual é o papel do educador na construção do Projeto de Vida?

Todo educador é um mediador no processo de formação integral do jovem, desenvolvendo nele não apenas suas habilidades acadêmicas, mas preparando-o para a vida.

Sem dúvida, é uma experiência constante de autoconhecimento e desenvolvimento, em um espaço repleto de possibilidades para exercitar a capacidade de ouvir e compreender pontos de vista, respeitando a bagagem de vivências e os valores do jovem.

Para a diretora do Instituto Inspirare e especialista em Projeto de Vida, Anna Penido, o educador é quem provoca cotidianamente o estudante a despertar seus desejos e a refletir sobre os caminhos necessários para chegar aonde pretende. Ambos, educador e aluno, saem transformados dessa experiência.

“O professor de Projeto de Vida não vai ser um transmissor de conhecimento, que vai dizer o que o aluno deve fazer. Será aquele que vai mediar, facilitar e ser um mentor para que os estudantes façam suas escolhas e reflexões individuais e coletivas. Junto dos alunos, os educadores vão se conectar também com seu propósito, fortalecendo seus Projetos de Vida”, explica Anna.

No entanto, a responsabilidade do Projeto de Vida não pode ser somente de quem conduz as atividades desse componente curricular.

“A escola como um todo é responsável. Os professores precisam entender que contribuem para a construção do projeto de vida dos estudantes a partir do momento que apresentam conhecimentos, que trabalham suas atitudes e que vão prepará-los para fazer boas escolhas, para terem autonomia e consciência em relação ao presente e ao futuro”, destaca.

Por onde o professor pode começar?

• Autoinvestigação: o primeiro passo para o educador pode ser iniciar um percurso de construção de seu próprio Projeto de Vida. Ou seja, resgatar a própria história e mapear suas motivações, entendendo o que o fez chegar até o presente momento e se tornar a pessoa e o profissional que é hoje.
• Planejar as aulas: exercitar a escuta ativa dos estudantes para analisar, rever e adaptar as ações pedagógicas é essencial. Isso também vale para aulas de Projeto de Vida. Por isso, todo planejamento deve ser construído de maneira dinâmica, com boa dose de resiliência e flexibilidade para incorporar as adequações que se fizerem necessárias, conforme contexto, necessidades e interesses do grupo de estudantes.
• Metodologias: metodologias ativas de aprendizagem – como Aprendizagem por Projetos/Problemas, Movimento Maker, Design Thinking, Gamificação, entre outras – proporcionam o protagonismo dos estudantes e incentivam a construção do conhecimento de maneira autônoma e participativa por parte destes.
• Propor caminhos mais significativos: reconhecer que cada estudante estabelece uma relação específica com a ideia de Projeto de Vida. Nesse contexto, será preciso compreender os diferentes tipos de projetos de vida e refletir sobre a proposta de criação ou adaptação de ações pedagógicas que beneficiem as turmas.

Fonte: Projetos de Vida e Juventude – Caminhos para educadores que apoiam a construção de projetos de vida de jovens brasileiros

Projeto de Vida: um projeto de toda escola para apoiar o estudante
Projeto de Vida: um projeto de toda escola para apoiar o estudante