Saltar para o menu de navegação
Saltar para o menu de acessibilidade
Saltar para os conteúdos
Saltar para o rodapé
Logo EnlighTed está chegando | Dias 19, 20 e 21 de outubro | Inscreva-se agora!

Projeto Aula Digital de Sergipe apresentou evento para propor reflexões sobre os desafios da pandemia e compartilhar boas práticas, cases inspiradores e conteúdos formativos

#AulaDigital#Educadores

Imagem de uma mulher olhando para a câmera ao lado de um notebook na mesa

Cerca de 2.000 educadores de 568 escolas atendidas pelo Projeto Aula Digital no estado de Sergipe participaram de um evento formativo entre os dias 31 de maio a 08 de junho, com o objetivo de dividir boas práticas, trazer histórias inspiradoras e conteúdo de formação.

“Queremos proporcionar aos educadores um ambiente de reflexão acerca da realidade escolar frente aos desafios impostos pelo isolamento social, abordando questões práticas e pedagógicas que os educadores podem e devem se debruçar”, diz a Carta Manifesto aos Educadores, escrita pela Equipe do Aula Digital Sergipe.

Renata Altman, gerente de Projetos Sociais da Fundação Telefônica Vivo, destacou, durante live de apresentação da Jornada, que apesar dos enormes desafios a serem transpostos, os índices educacionais alcançados por Sergipe indicam perspectivas otimistas. “No campo das tecnologias educacionais e da inovação, a gente percebe que esta parceria tem enriquecido demais tanto os processos do estado de Sergipe e seus municípios, como tem nos enriquecido com muitos casos e resultados de sucesso”, afirma.

A Jornada Educativa 2021 foi elaborada baseada de três temáticas: a escola que temos, a escola que queremos e a escola que fazemos. A partir de materiais, tarefas, desafios e cases de professores atendidos pelo Aula Digital, os educadores participantes puderam refletir sobre as práticas pedagógicas que transformam a educação frente aos desafios impostos pelo isolamento social.

Desafios e práticas inovadoras 

Para além dos conteúdos pedagógicos dispostos, a Jornada Formativa tornou-se também um espaço de inspiração, onde educadores sergipanos compartilharam suas vivências, experiências, aprendizagens, desafios e práticas inovadoras.

“Quantos de nós não tentamos replicar as práticas tradicionais ao ensino remoto e percebemos que elas não eram eficazes?”, questiona a professora Cátia Matias dos Santos da cidade de Malhador (SE). Durante a pandemia os professores foram convidados a aprender novas tecnologias e dominar novas ferramentas, sendo ainda incentivados a ensinar de forma distinta ao que estavam habituados.

A escola que fizemos foi aquela que aponta soluções, busca caminhos, estimula pesquisa, e que tenta, no seu contexto, seja ele limitado ou não, inovar-se. Eu acredito que a escola que fizemos em 2020 nos orgulha bastante. Apesar de não termos desenvolvido o considerado ideal, foi uma escola que não parou e que apontou soluções”, comemora Cátia.

Ao longo do evento de apresentação da Jornada, docentes contaram por quais desafios passaram e como os transpuseram em sua atuação remota com os seus estudantes.

É o caso, por exemplo, da professora Eloísa Waleska R. de Jesus, de Gararu (SE). Ela compartilhou que precisou trocar o seu turno de trabalho. Veste o uniforme do colégio, organiza os slides e grava as aulas à noite, devido à poluição sonora do período diurno. “Meu sonho é alfabetizar em massa e vi na pandemia uma brecha para mostrar aos pais que o ensino que eles tiveram evoluiu, se adequou à realidade. Através das minhas aulas assíncronas, alunos e pais estão se apropriando de conhecimentos e estão podendo sonhar”, diz.

Formador do Aula Digital, Jorge Oliveira Santos Junior, destaca as ações do Colégio Estadual Delmiro de Miranda Britto em Canindé de São Francisco (SE). Lá foi criada uma horta de 50 m2 e onze canteiras onde são plantados coentro, pés de alface e cebolinha, que vão para a merenda escolar. Jorge conta ainda que na Escola Municipal Alcino Manoel Prudente, em Laranjeiras (SE), são desenvolvidas atividades frequentes sobre a negritude brasileira. “São ações que buscam preparar os alunos não só no que se refere ao conteúdo, e ao currículo, mas também tornando-os cidadãos capazes de refletir, criticar e agir”, afirma o formador.

A professora Ozenilde de Souza Silva, da cidade de Lagarto (SE), falou sobre o seu trabalho de desenvolvimento de práticas de leitura, viabilizando a formação de leitores e escritores. Em 2020, por não ter tido contato presencial com os alunos, a professora escolhia um gênero textual a ser trabalhado, as crianças faziam a leitura e gravavam pequenos vídeos com os pais. Um dos gêneros textuais trabalhados foram as quadrinhas, trovas simples, compostas por quatro versos, conhecidas como poesias populares.

“O projeto contempla as competências gerais da BNCC. Nós adotamos quatro competências: conhecimento, repertório cultural, comunicação e cultura digital. Buscamos essa cultura que já existia na comunidade. Foi bem bonito, os alunos brincaram bastante”, diz a educadora.

Já a professora Érica Apóstolo dos Santos, de Carmópolis (SE), foi formada por um dos cursos do Aula Digital e o suporte dado a ajudou no desenvolvimento das aulas, além de ter incentivado sua criatividade. A educadora usa diversas ferramentas com os seus alunos como o Wordwall, Padlet ou Loom. “Estou sempre buscando ferramentas para facilitar a minha aula e atrair o meu aluno. Fazemos jogos e competições por meio do Google Meet. Aqueles que conseguem participar relatam que a aula é bastante interativa.”

Para ilustrar como o papel da escola vai além dos seus muros, a formadora Renata Silva Leite dá o exemplo da Escola Doutor Pompílio Guimarães, em Leopoldina (MG). Na instituição, eles criaram o Jardim da Quarentena: os estudantes recebem mudas e plantas para levar para casa e de lá acompanham o seu crescimento. Em paralelo, assuntos de cidadania e sustentabilidade são trabalhados pelos educadores.

Outra atividade proposta foi o Diário da Quarentena em que os alunos puderam expressar seus sentimentos e angústias, por exemplo, como está sendo o desafio de estudar longe da professora. “Assim, o protagonismo do aluno e o conhecimento dele em relação ao momento atual são valorizados, além de estimular maior frequência na leitura e escrita”, explica Renata.

Educador relata sua experiência com o Aula Digital

“Quando pensamos em educação, naturalmente nossa memória nos remete a uma imensidão de teorias e metodologias que foram evoluindo ao longo do tempo. Estamos vivenciando esse momento de inovações tecnológicas educacionais, com a adesão ao projeto Aula Digital, em processo de finalização de implantação desse projeto inovador, nos preparando por meio dos cursos formativos e das jornadas educativas em busca da recepção da escola como um todo ao uso desse importante recurso tecnológico. O objetivo é potencializar nossa prática diária com foco na melhoria de nossos índices educacionais.

O nosso corpo docente está ansioso para colocar em prática tudo aquilo que foi trabalhado nesse processo formativo. A equipe gestora da escola também deposita esperanças na melhoria dos resultados ao mesmo tempo que se sente grata à Fundação Telefônica Vivo, à Fundação Paramitas, à SEDUC-SE e a todos que estão envolvidos e colaboram com o sucesso deste importante projeto.”

Professor Anastácio Barbosa Lima, Escola Menino Jesus de Sion, em Santo Amaro das Brotas (SE).

Educadores sergipanos trocam experiências e aprendizados na Jornada Educativa 2021
Educadores sergipanos trocam experiências e aprendizados na Jornada Educativa 2021