Saltar para o menu de navegação
Saltar para o rodapé
Saltar para os conteúdos
Saltar para o menu de acessibilidade
ESTUDO ANALISA O IMPACTO DA PROGRAMAÇÃO NA EDUCAÇÃO, EMPREGABILIDADE E MERCADO DE TRABALHO.
BAIXE AQUI

Professores recebem apoio pedagógico e técnico por meio da Trilha de Formação Docente e estudantes do Ensino Médio iniciam o primeiro itinerário formativo de nível médio em Ciência de Dados

#CiênciadeDados#Educação#Educadores

Imagem mostra uma sala de aula onde há seis estudantes. Todos estão sentados em carteiras, utilizando notebooks. Em primeiro plano, há uma jovem negra, que está sorrindo.

Promover aprendizagens mais significativas, apoiando práticas pedagógicas que despertem maior interesse, autonomia e engajamento dos jovens. Esse é o objetivo da formação Técnica e Profissional em Ciência de Dados, idealizado pela Fundação Telefônica Vivo em parceria com o CIEB (Centro de Inovação para Educação Brasileira).

A ideia desse projeto inovador é preparar estudantes do Novo Ensino Médio de escolas públicas não apenas para estarem aptos ao mercado de trabalho, mas para um mundo em constante transformação. De tal forma que façam uso das tecnologias digitais de forma crítica, responsável e consciente.

O curso de Ciência de Dados está sendo ofertado, pela primeira vez, para democratizar a formação em dados a estudantes da rede pública de ensino.

Está sendo aplicado em parceria com as Secretarias de Educação de Mato Grosso do Sul e Santa Catarina.

Desse modo, mais de 300 jovens já estão tendo contato com os conteúdos do primeiro eixo formativo que é voltado à Gestão de Dados. E podem começar a planejar o seu futuro profissional. Nos próximos anos, serão ofertados os outros dois eixos formativos, Big Data e Análise de Dados, completando a formação de nível médio em Ciência de Dados.

Ciência de Dados e empregabilidade 

Mais de 80% dos estudantes da rede pública de ensino se interessam por uma formação técnica profissionalizante. É o que aponta uma pesquisa recente encomendada pela Fundação Telefônica Vivo. Além disso, 43% dos estudantes entrevistados disseram ter interesse na formação técnica em Ciência de Dados.

Cada vez mais empresas buscam por profissionais com perfis analíticos, como o do cientista de dados. Sobretudo devido ao acelerado movimento de digitalização e à presença das tecnologias digitais no dia a dia, que abrem portas para novas áreas de conhecimento.

Portanto, ao estudar Ciência de Dados, os estudantes terão condições de trabalhar em diversos setores da economia, apoiando ações de coleta, gestão, análise, visualização e interpretação de grandes conjuntos de dados, fundamentados na cidadania digital, nos princípios da sustentabilidade e na ética.

Confira como anda a implementação em cada um dos estados.

 

Formação técnica e profissional: apoiando o futuro de jovens de Mato Grosso do Sul 

Mais de 100 estudantes estão inscritos na formação técnica e profissional em escolas públicas de Campo Grande e Três Lagoas, em Mato Grosso do Sul.

“Acima de tudo, nossa prioridade é ofertar cursos que façam sentido para o contexto socioeconômico de nossos estudantes. Assim, também é possível contribuir com o desenvolvimento local”, declara Pedro Augusto, gerente do Núcleo de Ensino Médio e Educação Profissional da Secretaria Estadual de Educação.

Com a implementação do Novo Ensino Médio, a rede se deparou com o desafio de adaptar os cursos técnicos para a lógica dos itinerários formativos. Bem como encontrar profissionais qualificados para ministrar disciplinas específicas.

Além disso, a Secretaria de Educação recebeu as equipes da Fundação Telefônica Vivo e do CIEB. Os profissionais dialogaram e construíram em conjunto o formato do curso que está em implementação.

De acordo com o gerente, o diferencial da oferta de formação técnica e profissional em Ciência de Dados também foi o acompanhamento oferecido aos profissionais da Secretaria de Educação. O apoio continuará ao longo de toda a implementação do projeto no estado.

“A formação continuada é uma das partes mais interessantes da parceria. Às vezes, as equipes técnicas das Secretarias de Educação não têm recursos suficientes para fazer uma articulação em larga escala com diretores e professores. Por isso, parcerias como essa com a Fundação são fundamentais para alcançar resultados efetivos”, reforça Pedro Augusto.

Contribuindo com a empregabilidade dos jovens em Santa Catarina

Em Santa Catarina, mais de 200 estão participando da formação técnica e profissional em Ciência de Dados em nove escolas públicas das cidades de Guaramirim, Joinville, Chapecó, Jaraguá do Sul, Criciúma, Timbó e Florianópolis.

A formação para os estudantes acontecerá em três itinerários, com carga horária total de 1024 horas. O primeiro será sobre o eixo Gestão de Dados. Nele, o jovem aprenderá a montar e trabalhar com um banco de dados desde o início, com a coleta, armazenamento, acesso e organizações das informações. O segundo será sobre Big Data, para ter acesso às ferramentas que facilitam o trabalho do cientista de dados. E o último eixo será focado em Análise de Dados. Dessa forma, os estudantes aprenderão a transformar dados em informações úteis, organizando um hackathon (maratona de programação) para colocar em prática todo o aprendizado.

O jovem que obtiver aproveitamento mínimo em todas as Unidades Curriculares dos três eixos receberá o diploma de Habilitação Profissional Técnica em Ciência de Dados, vinculado ao eixo tecnológico Informação e Comunicação. Aquele que obtiver aproveitamento mínimo em todas as Unidades Curriculares de cada eixo receberá o certificado de Qualificação Profissional Técnica, vinculado ao eixo tecnológico Informação e Comunicação.

“Como resultado da parceria com a Fundação Telefônica Vivo, esperamos contribuir para a empregabilidade dos jovens. Mas também para formar cidadãos que saibam analisar e refletir sobre as informações que consomem e produzem diariamente”, diz Luís Duarte, coordenador Estadual de Educação Profissional de Santa Catarina.

O desafio na rede de ensino do estado foi alinhar a proposta formativa ao modelo de organização dos demais cursos técnicos aprovados pelo Conselho Estadual de Educação da região.

“Simultaneamente, os educadores selecionados fazem a formação continuada oferecida pela parceria com a Fundação Telefônica Vivo. Dessa forma, apoiamos bons profissionais no futuro e no presente”, conclui o coordenador.

 

Apoio aos professores: Trilha de Formação Docente 

A Fundação Telefônica Vivo oferece apoio pedagógico e técnico aos professores que ministrarão aulas na formação técnica e profissional em Ciência de Dados. Por isso, está disponibilizando uma Trilha de Formação Docente para os educadores das redes de ensino do Mato Grosso do Sul e Santa Catarina. O Instituto Ânima é parceiro-executor nessa iniciativa.

O objetivo é promover as competências necessárias para ensinar metodologias ativas de aprendizagem específicas para a formação em Ciência de Dados. Neste primeiro ano, a trilha divide-se nas etapas de kick-off, bootcamp e método teórico metodológico. Esse último acontece na plataforma Escolas Conectadas, com tutoria e acompanhamento semanal.

Com isso, os professores serão capazes de envolver os estudantes em atividades de investigação e resolução de problemas por meio de projetos. Assim, a imersão também deverá ajudar na proposição de situações-problema articuladas ao contexto de cada turma.

De acordo com Lia Glaz, gerente sênior de Educação da Fundação Telefônica Vivo, o acompanhamento aos docentes ocorrerá ao longo de toda a formação.

“Disponibilizaremos materiais gratuitos, sequências didáticas, tutorias, planejamentos de aula. Enfim, tudo o que for necessário para que o projeto de fato aconteça”, destaca.

Os primeiros encontros de kick-off ocorreram no início de março nos dois estados. Desse modo, foi possível promover as competências docentes necessárias para ensinar as metodologias personalizadas e ativas de aprendizagem. Além disso, instruir os professores a uma avaliação formativa de qualidade.

Formação técnica e profissional em Ciência de Dados chega às escolas de Mato Grosso do Sul e Santa Catarina
Formação técnica e profissional em Ciência de Dados chega às escolas de Mato Grosso do Sul e Santa Catarina