Saltar para o menu de navegação
Saltar para o rodapé
Saltar para os conteúdos
Saltar para o menu de acessibilidade
PESQUISA EXCLUSIVA REVELA OS DESEJOS E NECESSIDADES DOS JOVENS DO ENSINO MÉDIO.
BAIXE AQUI

UNESCO lança guia de recomendações sobre inteligência artificial na educação. O documento apresenta o atual cenário da IA e destaca princípios que promovem impactos positivos

#NovoEnsinoMédio#TecnologiaDigital

Imagem mostra um grupo ilustração ou fotografia que remeta à ideia de aprendizado de máquina

A IA (inteligência artificial) é capaz tornar a educação no futuro mais bem gerenciada, inclusiva e personalizada. Ela também deve oferecer mais oportunidades de aprendizagem ao longo de toda a vida. Essas são algumas das conclusões presentes no guia sobre o tema (Inteligência artificial e educação: guia para gestores de políticas públicas, em livre tradução), elaborado pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) com recomendações para o uso de IA na educação.

 

A inteligência artificial e o empoderamento dos grupos mais vulneráveis

Para dar conta dessas tarefas, a UNESCO defende que é preciso ter como um princípio fundamental o acesso equitativo e inclusivo à inteligência artificial e seu uso como bem público. O documento, cuja versão em português ainda não foi lançada, afirma que o foco da IA deve ser o empoderamento de meninas, mulheres e grupos econômicos mais vulneráveis. Além disso, aponta a necessidade de uma sólida supervisão ética nos processos que envolvem o uso de inteligência artificial. Tudo isso, com um profundo envolvimento de professores, gestores e pesquisadores da educação, mas também de outras áreas da sociedade.

 

Os dados coletados pela IA são reflexo da sociedade que vivemos

Outro princípio recomendado pela UNESCO é o tratamento ético dos dados. O conjunto de dados que alimenta os sistemas de inteligência artificial são impregnados de machismo, racismo e homofobia. Por isso, além da proteção do direito à privacidade da informação, o documento também chama a atenção para a necessidade de enfrentar os preconceitos presentes nos dados e criar algoritmos livres de preconceitos.

Empresas apostam no crescimento da inteligência artificial na educação

Empresas interessadas nesse mercado, no entanto, não vão esperar que uma política pública para IA e educação esteja desenhada, segundo o documento. A prova disso é que uma série de produtos educacionais baseados em inteligência artificial já estão disponíveis, além de muitos outros que estão em desenvolvimento. Segundo a UNESCO, este mercado espera uma movimentação anual de 6 bilhões de dólares em 2024.

 

Exemplos de aplicações de Inteligência artificial na educação

Sistemas de tutoria inteligente:

Oferecem tutoriais automatizados e individualizados para cada aluno. Para isso, utilizam tópicos em disciplinas estruturadas, como matemática, física ou química. Este sistema é alimentado com o conhecimento que especialistas deixaram em plataformas digitais ou documentos (milhares de provas do Enem, por exemplo). Partindo desses dados, é programado um caminho ideal com atividades de aprendizagem, bem como respostas aos erros e sucessos de cada aluno.

 

Sistemas de aprendizagem baseados em colaboração e diálogo:

A IA pode transformar o aprendizado colaborativo de várias maneiras. Uma ferramenta pode conseguir identificar os alunos mais interessados para certas tarefas colaborativas e agrupá-los. Depois, por meio de um agente virtual, pode contribuir ativamente para as discussões em grupo.

 

Aplicativos de avaliação automática da escrita:

Estes aplicativos ajudam os estudantes a melhorarem a habilidade de escrever. Para isso, a inteligência artificial identifica a qualidade da ortografia e da semântica de um texto. Depois, sugere soluções de correção e aprimoramento da escrita.

 

Aplicativos de aprendizagem de idiomas:

Uma ferramenta importante nestes aplicativos é o reconhecimento da fala. Com isso, é possível comparar a produção de alunos com amostras gravadas de falantes nativos. Assim, a ferramenta colabora para que o aluno melhore sua pronúncia.

 

Realidade virtual e aumentada para o ensino de biologia, astronomia e geologia:

A articulação entre inteligência artificial, realidade virtual e realidade aumentada pode criar ambientes de imersão guiada dos estudantes ao interior de células, de camadas do solo ou na exploração de planetas.

 

Oportunidades e perigos do uso da inteligência artificial

Apesar das possibilidades que a IA pode trazer para o desenvolvimento de práticas de ensino e aprendizagem inovadoras, o guia da UNESCO também alerta para perigos do uso indiscriminado dessas tecnologias.. Os sistemas de IA conseguem reconhecer falas e imagens (inclusive rostos humanos), entender como as pessoas se movem em uma cidade, prever como está o abastecimento de água etc. Com estas informações, é possível organizar melhor o trânsito, mas também desestabilizar sociedades e produzir guerras e caos.

Imagem mostra infográfico de guia da UNESCO sobre inteligência artificial.

Inteligência artificial e educação: UNESCO acredita que tecnologia pode ampliar a inclusão de grupos vulneráveis
Inteligência artificial e educação: UNESCO acredita que tecnologia pode ampliar a inclusão de grupos vulneráveis