Saltar para o menu de navegação
Saltar para o rodapé
Saltar para os conteúdos
Saltar para o menu de acessibilidade
Logo EnlighTedRelembre aqui o enlightED 2021

Esse conjunto de práticas desconstrói formas de pensar e agir naturalizadas na relação entre pessoas negras e brancas. Entenda como a escola pode contribuir para uma educação antirracista

#Educação#Educadores#ProFuturo

Imagem mostra uma jovem negra fixando em uma parede um cartaz contra o racismo

Os códigos de uma língua modificam-se constantemente para atender à necessidade de expressar ideias e sentimentos. Isso faz com que o letramento – o uso competente de leitura e escrita nas práticas sociais – esteja ligado às relações estabelecidas entre os cidadãos que convivem em sociedade. Pensando nesse sentido, o que a linguagem tem a ver com o racismo?

Desde o período colonial, sobretudo com o processo de escravização de povos indígenas e africanos, criou-se uma restrição ao acesso dessa parcela da população à educação, ao mercado de trabalho e ao território. A sociedade brasileira também se apropriou dessa lógica.

“Através da linguagem, você replica esse processo estrutural e reforça a superioridade de um grupo em detrimento de outro. Dessa forma, a sociedade vai moldando padrões estéticos e culturais, bem como o próprio entendimento de cidadania”, explica Juarez Tadeu de Paula Xavier, doutor em Comunicação e Cultura.

Nesse sentido, o letramento racial é apresentado pelo ativismo social negro como o ponto de partida de uma educação antirracista. O conceito foi utilizado pela primeira vez pela socióloga afro-americana France Winddance Twine, em 2003. No Brasil, o racial literacy foi traduzido para o português pela psicóloga Lia Vainer Schucman.

Ambas as pesquisadoras defendem o letramento racial como um conjunto de práticas para ensinar crianças e adultos a desconstruir formas de pensar e agir. Sendo que todas foram naturalizadas na relação entre pessoas negras e brancas.

Segundo a pesquisadora Lia Vainer Schucman, existem alguns passos para colocar em prática o letramento racial. São eles:

Políticas afirmativas na educação 

Sendo o racismo uma construção estrutural, o papel das instituições de ensino é central na redução de desigualdades sociais. Sabendo que o quadro de professores ainda não reflete a diversidade brasileira, a formação do corpo docente e a revisão do material didático-pedagógico são fundamentais para uma educação antirracista.

“Por isso as políticas afirmativas de acesso à Educação Superior foram consideradas conquistas relevantes. Assumir um compromisso ético de combate ao racismo exige revisitar bases pedagógicas e reinventá-las sob uma nova perspectiva”, afirma Juarez Tadeu, que também coordena o Programa Institucional de Educação pela Diversidade da Universidade Estadual Paulista (UNESP).

O especialista reforça que, mesmo na esfera cotidiana dos educadores, é possível fazer a diferença. É no ambiente escolar que as relações sociais começam a se desenvolver. Portanto, mediar esse processo com ajuda da comunidade escolar pode ser uma ferramenta potente para adotar práticas antirracistas.

“Isso pode ser feito através da troca de saberes entre a escola e organizações, coletivos e movimentos sociais que já trabalhem o letramento racial. Convidar essas pessoas para o espaço escolar é uma oportunidade de aprendizado tanto para os estudantes, quanto para os profissionais da educação”, recomenda.

Letramento racial: da escola para a sociedade 

O movimento também pode ser feito de dentro para fora. Foi assim com a turma de Educação Infantil da professora Marina Bittencourt, que decidiu organizar uma passeata para trazer a comunidade escolar como aliada no combate ao racismo. A mobilização aconteceu em 2018 e partiu de um estudo sobre Nelson Mandela.

“Tínhamos acabado de ler o livro ‘Madiba, o menino Africano’ e estávamos estudando sobre a luta por uma sociedade igualitária. Então, a Karoline, uma das minhas estudantes, sugeriu que fossemos às ruas ‘igual ao Mandela’ para ensinar que ‘racismo não era bom’”, relembra a educadora, que leciona há seis anos na EMEI Nelson Mandela.

Localizada na zona norte de São Paulo, a escola é considerada uma referência na educação em cultura da paz. Marina conta que passou por uma formação continuada, oferecida ao corpo docente, para entender como o racismo estrutural afeta os brasileiros desde a primeira infância.

“É muito comum ver desenhos de crianças de pele branca nas paredes de escolas infantis, isso também é letramento. Desconstruir esses estereótipos, valorizar a diversidade e entender o impacto dessas representações na autoestima das crianças, garante que elas sejam livres para construir soluções melhores para a sociedade no futuro”, finaliza a pedagoga.

Letramento racial: saiba o que significa esse conceito
Letramento racial: saiba o que significa esse conceito