Saltar para o menu de navegação
Saltar para o menu de acessibilidade
Saltar para os conteúdos
Saltar para o rodapé

Buscar conhecimento de maneira proativa e contínua se revela uma das competências essenciais para a vida em sociedade. Saiba qual é a importância da aprendizagem constante

#42SãoPaulo#42SPépravocê#Programação

Você se lembra da última vez em que aprendeu algo? É possível que sua memória te leve a situações formalmente associadas a adquirir conhecimento. Escolas, faculdades e treinamentos são exemplos de ambientes de aprendizagem. Mas também é provável que você tenha aprendido algo novo hoje mesmo, por meio de uma conversa, um vídeo ou um acontecimento inesperado. Essa perspectiva sobre a busca proativa e constante do conhecimento em diferentes espaços é a premissa do lifelong learning. O termo pode ser traduzido em português como “aprendizado ao longo da vida”. A ideia é combinar propósito, autoconhecimento e autonomia para transformar aprendizados em ações.

A expressão lifelong learning surgiu pela primeira vez na Europa, na década de 1970. Mas ganhou repercussão mundial a partir de 1990. Nessa época, já aconteciam debates sobre um mundo em transformação que exigia cada vez mais flexibilidade para entender as experiências de aprendizagem de forma contínua. Não necessariamente vinculadas a instituições de ensino, classes sociais ou faixa etárias específicas.

A European Lifelong Learning Initiative é a organização responsável por desenvolver iniciativas de aprendizado contínuo ao redor do mundo. Ela define o conceito como: “Um processo de apoio que estimula e capacita indivíduos a adquirir todas as competências e habilidades necessárias para a vida em sociedade, aplicando-os com criatividade e confiança em todas as funções e ambientes”.

A educação formal continua sendo valorizada e tem a sua importância ao longo da vida de qualquer pessoa. Inclusive para a conquista de melhores empregos. Mas para que uma pessoa seja preparada para o trabalho e a vida no século 21 o formato começa a ser questionado. “O modelo de ensino tecnicista do século 20 que predomina até hoje, definitivamente, não prepara ninguém para o trabalho e para a vida no século 21”, declarou Ana Maria Diniz, do movimento Todos Pela Educação, em artigo publicado no jornal O Estado de S. Paulo.

Pesquisa realizada pelo Pew Research Center, nos Estados Unidos, apontou que 54% dos americanos acreditam que será importante desenvolver novas habilidades ao longo da vida profissional. Apenas 16% acreditam que um curso de quatro anos é capaz de preparar os alunos para um trabalho de alto rendimento, considerando a economia moderna.

Uma nova aprendizagem

Uma das principais barreiras para se tornar um lifelong learner é a própria relação com a aprendizagem. “Não fomos acostumados a nos dedicar ao aprendizado sem supervisão ou controle. Na maior parte das vezes, aprendemos porque alguém entende que aquele conhecimento é importante e dita a forma como devemos interagir com ele”, explica Alex Bretas, escritor e facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida.

A educação tradicional, por muitas vezes, associa disciplina à obediência. Mas isso dificulta a busca por conhecimento de maneira contínua e por conta própria. No livro “A Autodisciplina na Aprendizagem”, Bretas defende que romper com essa construção não é uma questão de força de vontade, mas de entendimento e mudança de hábitos.

“Nem sempre aprender ao longo da vida é prazeroso ou fácil. É preciso estar disposto a criar oportunidades de aprendizado em todas as situações. Mas também a desconstruir visões e crenças”, aponta o especialista. Para ele, os caminhos para transformar experiências de aprendizagem passam por três frentes: autoconhecimento; tomar decisões que alterem positivamente o ambiente que o cerca; e adaptações na rotina.

Uma das formas de criar oportunidades de aprendizado contínuo é se tornando um aprendiz autodirigido. De acordo com Alex Bretas, o aprendiz autodirigido tem motivação natural para realizar o que deseja. Quem é aprendiz autodirigido tem o perfil de escolher de forma estratégica os caminhos de aprendizagem que quer seguir. E pensa em aplicá-los e compartilhá-los de maneira significativa para os objetivos de vida.

Os benefícios do conhecimento e de ser um eterno aprendiz

O mundo BANI — Frágil, Ansioso, Não linear e Incompreensível — torna o futuro do trabalho cada vez mais dependente de habilidades e competências como flexibilidade, autonomia, resolução de problemas e colaboração. Sendo o lifelong learning uma proposta de desenvolvimento contínuo do conhecimento, ela se torna essencial para estudantes e profissionais que pretendem se manter atualizados e aptos a criar soluções para essa realidade.

Ainda assim, Alex Bretas acredita que essa não deve ser a principal motivação de quem pretende investir na busca de aprendizado ao longo da vida. “Temos muito mais chances de colocar em prática a perspectiva do lifelong learning se encontrarmos áreas de conhecimento que nos despertem encantamento, que façam sentido para nossos projetos de vida e para o mundo”, reforça.

Lifelong learning: por que é importante continuar aprendendo ao longo da vida
Lifelong learning: por que é importante continuar aprendendo ao longo da vida