Saltar para o menu de navegação
Saltar para o rodapé
Saltar para os conteúdos
Saltar para o menu de acessibilidade
Logo EnlighTedDias 19, 20 e 21 de outubro | Assista ao enlightED aqui!

Em formato de pergunta-resposta, recurso didático ensina os direitos do cotidiano.

Em formato de pergunta-resposta, recurso didático ensina os direitos do cotidiano.

São muitas as esferas dos direitos humanos presentes no nosso dia a dia. Os direitos à água, ao transporte, à iluminação da rua fazem parte desse conjunto – mas passam, por vezes, despercebidos. O jogo “Diário de Amanhã”, apoiado pela UNESCO e recém-lançado pelo Senac e pela instituição Palas Athenas, chega para ajudar alunos e educadores a se aproximarem do assunto de maneira mais lúdica e didática.

De acordo com a coordenadora da área de tecnologias sociais e desenvolvimento humano do Senac, Regina Paulinelli, a iniciativa foi pensado com o intuito de facilitar o entendimento da Declaração Universal dos Direitos Humanos, documento-base da legislação, porém bastante denso. A meta é alcançar o maior número de escolas e estudantes com um formato criativo e mais simples, em forma de pergunta-resposta. “As pessoas acreditam que a violação de um direto é uma coisa que acontece em lugares afastados, distantes de nós. A realidade não é essa. O desafio era o de trazer situações mais comuns do cotidiano para dentro da sala de aula”, explica Regina.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) é a realização de uma conquista para a história dos direitos humanos. Proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris, em 10 de dezembro de 1948, foi elaborada por representantes de origens jurídicas e culturais distintas. A DUDH, documento mais traduzido do mundo, tem versões em 360 idiomas, defendendo a igualdade entre as pessoas e os direitos individuais do ser humano. A garantia dos direitos humanos é feita por meio da lei, em formato de tratados e leis internacionais. A Declaração Universal dos Direitos Humanos foi pensada à época da Segunda Guerra Mundial, para prevenir que outras atrocidades voltassem a acontecer.

A proposta é que, ao iniciar o jogo (desenhado em formato de jornal), o professor faça a divisão da turma em cinco equipes, que escolherá avatares e nomes. Feito isso, um vídeo de apresentação histórica sobre a Declaração dos Direitos Humanos se inicia e surgem perguntas e múltipla escolha para as respostas. A segunda etapa, em forma de manchete de jornais e notícias, apresenta uma sequência de 12 missões. “Usou-se a referência de manchete para chamar a atenção para a violação do direito que está sendo noticiada. Desta forma, os alunos precisam impedir que determinada situação de violação ocorra”, explica a coordenadora.

Até a terceira semana de março, o jogo já contava com 769 acessos, dividido entre todas as regiões do Brasil – e também já aplicado em Portugal. Com acesso gratuito e ilimitado, os educadores preenchem um cadastro simples e podem jogar offline. De acordo com Regina, unir as duas formas é uma maneira de facilitar o acesso de pessoas que residem em locais afastados, com menos conexão. “Nós esperamos que o jogo seja compartilhado, com o intuito de alcançar outros territórios, levando o debate e a reflexão sobre os direitos humanos”, diz.

O professor Ricardo Roitburd, do Senac Bertioga (Litoral de São Paulo), já é um entusiasta da plataforma: garante que o “Diário do Amanhã” tem mudado a rotina e o aprendizado dos alunos. “O retorno tem sido positivo e de criar expectativa para aulas futuras no mesmo formato”, assegura.

Roitburd leciona para cerca de 40 alunos com idade entre 14 e 49 anos, nos cursos de organização de eventos, auxiliar administrativo e monitor ambiental. Ele explica que durante suas aulas procura mostrar o jogo como uma forma de discutir os direitos humanos. “Não faço nenhuma explicação prévia, uso o jogo como um ativador dos debates. Depois discuto sobre os problemas da comunidade e a influência dos direitos humanos na vida dos alunos”.

“As situações apresentadas, potencialmente reais que conectam a realidade do aluno com a sala de aula, abrem um canal de comunicação amplo, em que o professor pode abordar temas sensíveis como bullying, preconceito, abuso, entre outros”, conclui Roitburd.

Modelo de cidadania digital, jogo online apoiado pela UNESCO leva direitos humanos às escolas
Modelo de cidadania digital, jogo online apoiado pela UNESCO leva direitos humanos às escolas