Saltar para o menu de navegação
Saltar para o rodapé
Saltar para os conteúdos
Saltar para o menu de acessibilidade
Novo Ensino Médio: primeiro itinerário de formação técnica e profissional em Ciência de Dados. Saiba mais

Por meio de sua contribuição como filósofa e literata, bell hooks deixou uma contribuição para o feminismo negro e para a cultura da paz. Conheça a trajetória da ativista!

#Educação#Educadores#ProFuturo

Imagem mostra a ativista bell hooks. Ela está segurando um microfone e parece estar palestrando. Usa óculos, brincos dourados e uma blusa vermelha.

“O amor é o fundamento de toda mudança social significativa”. Era nisso que acreditava bell hooks (1952-2021), a intelectual que transformou a educação antirracista por meio de seu trabalho como filósofa e literata. Ao defender o fim de sistemas de opressão, a ativista deixou um legado para a cultura da paz.

Desde que saiu da cidade de Hopkinsville, nos Estados Unidos, levou consigo a experiência de ter crescido como mulher negra em uma comunidade segregada. Aos 19 anos, escreveu a primeira tese relacionando gênero, raça e classe. Na época, era estudante da Universidade de Stanford.

Dez anos depois, o livro “E eu não sou uma mulher?- Mulheres Negras e Feminismo” entrou para a história do feminismo negro como um marco para os debates sobre equidade da década de 1980. Nesse meio tempo, a autora já trabalhava como professora universitária em renomadas instituições de ensino do país.

 

bell hooks: da pedagogia à literatura 

Na literatura, ela se destacou pela capacidade de romper com os moldes tradicionais envolvidos na produção de saberes acadêmicos.

“De acordo com bell hooks, a academia pode excluir o processo de entendimento sobre questões importantes. Por isso,  ela escolheu se mostrar como ser humano e utilizar suas vivências pessoais como exemplos para nós”, comenta Camilla Dias, assistente social pós-graduada em Literatura e Humanidades.

O próprio pseudônimo “bell hooks” — assim mesmo, em letras minúsculas — foi adotado pela autora em uma tentativa de afastar o reconhecimento de seu nome e direcioná-lo para suas ideias. Além disso, a escolha foi uma homenagem à sua bisavó materna Bell Blair Hooks.

Como resultado de quarenta anos de ativismo pelos direitos das mulheres negras, bell hooks deixou mais de 30 livros e artigos publicados. Entre eles, relacionou temas que contribuíram para a pedagogia, legislação, mídia e indústria cultural.

Conheça mais sobre a trajetória de bell hooks

Interseccionalidade e pensamento crítico 

Uma das principais contribuições de bell hooks para a pedagogia tem a ver com dois conceitos fundamentais para o século XXI: pensamento crítico e interseccionalidade. Ambos são complementares e permeiam todas as obras da autora.

​”Ela consegue abranger todas as áreas da nossa vida de maneira muito didática, utilizando a intersecção entre gênero, raça e classe como mediadora das relações sociais”, comenta Camilla Dias, que também é mediadora de leitura no projeto Leituras Decoloniais

Além de pensar de maneira crítica, ela defendia a horizontalidade e o diálogo como ferramentas centrais para o processo de ensino-aprendizagem. “Não à toa, uma das maiores inspirações de bell hooks foi o educador brasileiro Paulo Freire”, acrescenta a assistente social.

Educação libertadora e o poder do amor 

Para bell hooks, a educação deve formar indivíduos preocupados com uma convivência social igualitária e respeitosa.

Sob o mesmo ponto de vista, a intelectual considera os vínculos entre estudantes e educadores como o primeiro passo para uma educação antirracista e libertadora. Dessa forma, o engajamento dos estudantes se dá a partir de uma troca que vai além do compartilhamento de informações.

“A ideia é que os profissionais da educação estejam envolvidos e atentos ao tempo-espaço. E façam conexões com o contexto atual e a realidade de cada aluno para a aprendizagem deixar de ser mecânica e tornar-se significativa”, explica Camilla Dias.

Segundo bell hooks, todo este processo deve estar baseado no amor. Que seria uma combinação de cuidado, compromisso, conhecimento, responsabilidade, respeito e confiança.

E para a ativista, romper com as desigualdades é considerar a diversidade digna de amor em todos os espaços.

“Três palavras definem a contribuição de bell hooks para a sociedade: transformação, respeito e amor”, finaliza Camila.

O legado de bell hooks para uma educação antirracista
O legado de bell hooks para uma educação antirracista