Saltar para o menu de navegação
Saltar para o menu de acessibilidade
Saltar para os conteúdos
Saltar para o rodapé
Logo EnlighTed está chegando | Dias 19, 20 e 21 de outubro | Inscreva-se agora!

O Programaê!, um movimento liderado pela Fundação Telefônica Vivo em prol da programação, levantou debates na Campus Party sobre novo DNA da era digital.

O novo DNA da era digital, empreendedorismo e inovação, são temas de bate-papo na Campus Party

Quem quer programar para mudar o mundo? Foi uma pergunta desafiadora para o público na palestra “Uma ideia na cabeça e um código na tela”, que abriu o palco Terra, na manhã de hoje, dia 04. A mais nova parceria entre o Programaê! e o Technovation Challenge, lançou o convite para jovens garotas, sem experiência prévia com programação, participarem do Technovation Programaê!, onde são desafiadas a solucionarem problemas sociais e reais através da criação de aplicativos e o desenvolvimento de um plano de negócios para o mercado. Entre os convidados para o bate-papo sobre programação: Gabriella Bighetti; diretora presidente da Fundação Telefônica Vivo, Allan Kajimoto; desenvolvedor do aplicativo Kekanto, Renato Freitas; desenvolvedor do aplicativo 99 taxis, Lucas Rocha; da Fundação Lemann e representante do PROGRAMAÊ!, Bob Wollheim; fundador da plataforma YouPix e mediador da conversa, Nathalia Goes; participante e ganhadora do 3º lugar no Technovation, além de Camila Achutti; diretora nacional do Technovation Challenge Brasil.
“Nos anos 60 e 70 os jovens usaram o rock ’n rol como forma de rebeldia, hoje em dia a grande arma e revolução é a programação.”, afirma Bob Wollheim. A diversidade gerada através desta ferramenta é poderosa e vem transformando o mundo, mudando a maneira como as pessoas pensam através da lógica do código, mas esse poder de transformação no Brasil ainda é muito pouco explorado, “temos uma pesquisa que diz que 70% dos jovens brasileiros estão conectados por telefone. Mas ainda se produz muito pouco. Por isso queremos muito estimular a programação.” diz Gabriella Bighetti. Allan Kekanto complementa: “O melhor período para empreender é quando você é jovem. E um desenvolvedor pode fazer um site em uma semana.” Na palestra, Camila Achutti contou sobre sua trajetória na programação: “Eu era a única mulher dos formandos de 2013 na USP, em ciência da computação. Uma pesquisa mostra que 79% das mulheres que entram em cursos de tecnologia desistem no primeiro ano. Pra mim, programação sempre foi uma língua mágica que pode mudar o mundo. A gente tem que pensar nisso pra trazer mais pessoas.” E completa: “meu papel é ensinar meninas a programar e construir um mundo a favor da diversidade e da inclusão, transformando o micro em macro.”.

Minoria nas escolas de engenharia, em cursos de programação e startups, o quadro promete mudanças e uma nova revolução feminina tem entre suas missões firmar que mulheres também podem trabalhar com tecnologia. É o caso de Nathalia Goes, 18 anos, ganhadora do 3° lugar no Technovation, na categoria rede social de 2013 – que desenvolveu com seu grupo um aplicativo para facilitar a arrecadação de recursos financeiros para ONGs, interligando pessoas que têm interesse no voluntariado, mas não sabem onde investir. Também convidada para a palestra, declarou: “entender a lógica da programação muda a mente de qualquer pessoa, a tecnologia dá voz para todos. Para mim o código é um meio de mudar o mundo. Entendo meu papel como meio de multiplicar ações que façam a diferença no planeta, e meu sonho é que todos sejam capazes de se conectar e entender tecnologia.”
No final de abril, acontecem as apresentações regionais dos projetos. As finalistas irão ao Vale do Silício para apresentar seus aplicativos e planos de negócios para investidores na final mundial. O time vencedor ganha U$ 10.000 em financiamento. Além disso, elas passam a fazer parte de uma rede de contatos e recursos para ajudar a seguir na trajetória empreendedora. Os critérios de avaliação são originalidade, poder de alcance e transformação social. As inscrições para meninas, mentoras e coordenadores vão até o dia 28 de fevereiro, pelo site http://www.technovationchallenge.org/brasil.
O Programaê!, um movimento liderado pela Fundação Lemann e a Fundação Telefônica Vivo em prol da disseminação da programação, se orgulha de fazer parte deste projeto e de inspirar crianças e jovens a se tornarem criadores e inventores para uma nova geração de empreendedores.
Saiba mais informações sobre o workshop realizado “Faça o seu primeiro aplicativo com o Technovation e o Programaê!”, no campus Experience da Campus Party Brasil. Confira aqui!




O post O novo DNA da era digital, empreendedorismo e inovação, são temas de bate-papo na Campus Party apareceu primeiro em Notícias da Fundação Telefônica.

O novo DNA da era digital, empreendedorismo e inovação, são temas de bate-papo na Campus Party
O novo DNA da era digital, empreendedorismo e inovação, são temas de bate-papo na Campus Party