Saltar para o menu de navegação
Saltar para o rodapé
Saltar para os conteúdos
Saltar para o menu de acessibilidade
Logo EnlighTedRelembre aqui o enlightED 2021

Você não consegue doar sangue por algum motivo? Costuma passar mal? Pois então, uma forma de ajudar ao próximo é se cadastrar no banco de medula óssea!

Saiba como é o processo para doar medula óssea

Cartaz da campanha Super Voluntário, do Redome

Você não consegue doar sangue por algum motivo? Costuma passar mal? Pois então, uma forma de ajudar ao próximo é se cadastrar no banco de medula óssea (Redome). O processo é rápido: basta preencher uma ficha cadastral e retirar apenas uma amostra de sangue (10 ml), que servirá para a análise HLS, um teste de laboratório para identificar sua genética. O resultado vai para um banco de dados nacional. Caso haja a compatibilidade com a de algum paciente, você será informado para realizar outros testes e iniciar o processo para a doação da medula.
 
Esta é uma causa nobre, pois a chance de encontrar um doador compatível é de uma em mil. Assim, quanto mais doadores estiverem cadastrados no Redome, maior a probabilidade de transfusão – e de salvar vidas.
Em São Paulo o cadastro é feito no Hemocentro da Santa Casa de Misericórdia (fones: 2176-7251). Nas demais cidades, informe-se nos hemocentros sobre como são feitas as coletas para o cadastro. É necessário ter entre 18 e 55 anos de idade.
 
O transplante de medula óssea é a única esperança de cura para muitos portadores de leucemias e outras doenças do sangue. Ela é retirada do interior de ossos da bacia, através de punções, e se recompõe em apenas 15 dias. Para mais informações, acesse o site do Redome: www.doevida.com

O post Que tal ser doador de medula óssea? apareceu primeiro em Notícias da Fundação Telefônica.

Que tal ser doador de medula óssea?
Que tal ser doador de medula óssea?