Onélia Barbosa

Professora de Fortaleza descobre novas possibilidades para suas aulas ao participar de cursos da plataforma Escolas Conectadas

Quebrando barreiras

Nome: Onélia Barbosa | Escola: Escola Municipal Dois de Dezembro | Projeto: Escolas Conectadas

A falta de familiaridade com a tecnologia não foi um empecilho para que a professora Onélia Barbosa, de Fortaleza (CE), pudesse começar a fazer cursos online. Aos 53 anos, ela lembra quando entrou na era digital: “eu tinha preconceito com cursos à distância, mas vale a pena porque disciplina a gente”.

E foi assim, quebrando barreiras, que a Onélia passou a acessar a internet para atualizar seus conhecimentos.O ensino online foi a maneira que a professora encontrou para dar conta da carga horária de cursos e formações que precisava realizar para conseguir se desenvolver na carreira, mas que não sabia como encaixar em seus horários e no bolso. “Ainda hoje tenho dificuldade de manusear, mas as enfrento”.

Quando conheceu a plataforma Escolas Conectadas, iniciativa da Fundação Telefônica Vivo  para apoiar a formação à distância de educadores, Onélia começou a fazer um curso atrás do outro. E ainda dividiu a novidade com os colegas: “eu sou daquelas que quando tenho uma coisa saio compartilhando, divulgando. Temos que ser companheiros”.

Aluna desde 2015, já fez 14 atividades na plataforma e lembra com muito entusiasmo de quatro delas: ‘Escola na nuvem: ferramentas gratuitas de produção online’ e ‘Resolução de problemas para além das aulas de Matemática’, de 2016, ‘Jogos e Brincadeiras: para além da seriação’ e ‘Alfabetizando na diversidade: por classes mais multisseriadas’, de 2017.

Sugestão de atividades

Alfabetização, inclusive, é uma das paixões de Onélia. “Gosto muito de alfabetizar, porque existe uma dificuldade de leitura geral. Dava aula para o terceiro ano e todos os alunos chegavam sem saber ler”, relembra. “E eu gosto muito de trabalhar leitura, texto. Criar uma dinâmica diferente para não ficar no tradicional”.

Os cursos a ajudaram com sugestão de atividades. Para ela, o conteúdo da plataforma contribui para mudar a maneira de pensar e obter uma prática mais atrativa. “Minha grande dificuldade, assim como a de muitos outros professores, é usar o computador na sala de aula com os alunos, porque não tem o equipamento para todos”, ressalta. A educadora aproveitou a oportunidade para pensar em novas formas para ampliar o repertório e inovar na forma de ensinar seus alunos.

Já são mais de 32 anos de experiência como professora em escola pública. Hoje, aposentada, é também artesã e ainda não largou sua profissão. Diz que está ansiosa para a retomada dos cursos da plataforma Escolas Conectadas em 2018, afinal quer continuar em sala de aula e para isso vai continuar estudando e enfrentando as barreiras.

Na plataforma Escolas Conectadas são oferecidos cursos gratuitos com conteúdos e metodologias inovadoras de ensino com práticas pedagógicas diferenciadas e de uso da tecnologia nas atividades em sala de aula. Saiba mais!

Em breve você conhecerá outras histórias. Aguarde!

Conheça outras histórias

Inventores do campo

Nome: Leonardo Silveira Sanhudo | Escola: EMEF Zeferino Lopes de Castro | Projeto: Inova Escola O gaúcho Leonardo Silveira Sanhudo é ex-aluno da EMEF Zeferino Lopes de Castro, escola localizada […]

Saiba mais

Os números do aprendizado

Nome: Ana Patricia de Oliveira | Escola: EMEF Adão Benezath e EMEF Isaura Marques da Silva | Projeto: Escolas Conectadas Apaixonada por números e cálculos, professora de Vitória encontrou na […]

Saiba mais